Cientistas criam a mão robótica de Luke Skywalker, e ela é sensível ao toque

Pessoas que perderam a mão podem, um dia, recuperar até a sensação do membro graças à DARPA e aos pesquisadores da Case Western University (EUA): eles criaram o que, para nós, era possível apenas na ficção científica.

E como funciona? Basicamente, ele se entrelaça com os nervos restantes que ficaram intactos no membro, e assim fornece feedback sensorial direto. Então, ao invés de depender da visão para manejar a prótese robótica, o FINE permite sentir e tocar o que você quiser.

Isto faz parte do programa RE-NET da DARPA, agência do governo americano que desenvolve tecnologias militares. Ele estuda a viabilidade e durabilidade de periféricos que se conectam ao sistema nervoso.

Se isso soa familiar para você, é porque há um motivo: isto é basicamente o que aconteceu quando Luke perdeu a mão no final do Episódio V, e foi equipado com uma mão biônica. Incrível! A DARPA diz que continuará a avaliar as pesquisas do programa RE-NET até 2016. Esperamos que eles encontrem uma solução a longo prazo antes disso. (Veja o Vídeo)

Cientistas criam robô ágil e o apelidam de ‘filhote de guepardo’

robo

Protótipo ajudará a criar máquinas para missões de resgate.
Modelo foi construído com material barato e simples de encontrar.

Inspirados pelas formas dos felinos, cientistas suíços criaram um robô quadrúpede que está entre os mais rápidos deste tipo já apresentados. Em testes, o protótipo percorreu um trecho equivalente a sete vezes seu tamanho em um segundo e demonstrou impressionante agilidade mesmo em um terreno acidentado.

Desenvolvido pelo laboratório de biorrobótica da Escola Politécnica Federal de Lausanne, na Suíça, o modelo pesa menos de 30 quilos, é feito com material considerado barato e de fácil obtenção e foi apelidado de “filhote de guepardo”.

Para garantir estabilidade durante a corrida, os pesquisadores analisaram e simularam os movimentos de felinos reais ao montar a estrutura do robô. A quantidade e as proporções dos segmentos de cada perna são idênticas às dos animais. Molas e pequenos motores que convertem energia em movimento foram usados para imitar tendões e músculos.

“Essa morfologia dá ao robô as propriedades mecânicas que beneficiam os gatos, o que significa habilidade para corrida e a elasticidade nos pontos certos, garantindo estabilidade. O robô é, por isso, naturalmente mais autônomo”, explica Alexander Sprowitz, um dos cientistas que ajudou a criar o projeto, em entrevista ao site da universidade.

A proposta dos pesquisadores é utilizar o protótipo, apresentado no “International Journal of Robotics Research”, para aperfeiçoar estudos em biomecânica e eventualmente usar sua tecnologia na construção de modelos usados em missões de busca e resgate ou em explorações.

Fonte: http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2013/06/cientistas-criam-robo-agil-e-o-apelidam-de-filhote-de-guepardo.html

Robô é capaz de transmitir beijos à distância;

  A empresa Lovotics, especializada em pesquisa de interações entre humanos e robôs, lançou um sistema para transmitir beijos. Funcionam através de uma dupla de dispositivos, que transmitem entre si movimentos que as pessoas fazem com a boca

 

 

 

 

Os robôs possuem uma “boca” de silicone. Quando alguém beija a boca de um dos robôs, o outro recebe o sinal, transmite os movimentos e, se conectados à internet, não importa se estão distantes – o carinho será transmitido mesmo assim
Foto: YouTube/Lovotics/Reprodução